Pesquisar neste blogue

Dicas de redação científica

Por Editora Hyria

       É fácil ver um trabalho científico pronto, completo. O que não nos damos conta é que todas aquelas páginas de "suado" conhecimento foram construídas parágrafo por parágrafo, ideia por ideia... 
       Diante disso, vale refletir sobre o desenvolvimento e a organização dos parágrafos no texto científico. Abaixo segue texto sobre o tema, reproduzido com autorização do autor:

"
Os parágrafos expressam raciocínio lógico, harmônico e informam os propósitos do pesquisador. Por isso, opta-se por desenvolver uma ideia de cada vez e buscar simplicidade. A linguagem será mais clara e a informação mais precisa. É importante verificar se as ideias principais foram colocadas nas primeiras frases, e se as palavras fundamentais ficaram no início ou no fim do parágrafo. A preferência é pela ordem mais comum: sujeito, verbo e objeto (SVO). É a estrutura mais simples da língua portuguesa.

Começar os parágrafos. Posso iniciá-los com pronomes oblíquos átonos ou números? E os períodos longos (frases extensas) são recomendados?

Evita-se começar frases com pronomes oblíquos átonos ou com números, mesmo que expressos de modo textual. No caso dos verbos, usa-se a 3ª pessoa do singular, como, por exemplo: acredita-seobserva-serelata-se, nota-se. Ainda desvia-se do "nós" majestoso de Luís XIV e do "nós" da modéstia.
Frases longas podem ser usadas, todavia, demandam mais domínio gramatical e atenção. O pesquisador corre mais riscos de perder a clareza e a unidade. A variação na extensão das frases no decorrer da redação científica é bem-vinda, desde que se observe o esmero com as palavras, frases e parágrafos.
O pesquisador deve acostumar-se a reescrever e eliminar o desnecessário. Cortar o que está a mais, diminuir o texto, evitar o acúmulo de sinônimos e optar por frases curtas e diretas. Com persistência, paciência e prática desenvolverá as habilidades necessárias. Eis a diferença!
Para conhecer outras dicas sobre os parágrafos no texto científico, consulte o capítulo 5 do livro Redação científica moderna".